PPL - Crowdfunding Portugal. Plataforma disponível em PPL.com.pt

quinta-feira, 26 de julho de 2012

Continuar a Acreditar

O Projecto do Norberto de "Rumo a Santiago 2012" terminou o prazo sem que se tenha financiado.

Todos os apoiantes receberam de volta o seu contributo.

Como o Norberto continua a Acreditar neste projecto e como o PPL continua a Acreditar no projecto e no Norberto, ele lançou novo projecto, desta vez "Rumo a Santiago 2012 - Continuar a Acreditar" com um prazo mais alargado.

Sugerimos aos anteriores apoiantes que coloquem novamente o seu anterior contributo neste novo projecto e que passem a palavra para que juntos, consigamos obter o apoio necessário para este Rumo. Enviámos a mensagem abaixo a todos eles.

Continuamos a Acreditar. Apoie aqui: http://ppl.com.pt/en/prj/rumoasantiago




Date: 2012/7/26
Subject: Rumo a Santiago 2012 - Continuar a Acreditar
To: PPL - Info <info@ppl.com.pt>
Cc: norberto@rumoasantiago.com


Car@s amig@s do PPL e do Rumo a Santiago,

Quando um projecto não se financia no PPL, é hábito a nossa equipa dar os parabéns.

Fazemo-lo porque, quando o empenho é evidente, o promotor do projecto retira informação muito importante relativa à adequação do projecto e do modelo de solicitação de financiamento que propôs.

Mais: quando uma iniciativa é exemplar, sugerimos algo como "Caso deseje tentar uma nova campanha, o PPL terá todo o gosto em apoiar."

É este o caso com o Norberto e toda a equipa por detrás do "Rumo a Santiago".
Porque Acreditamos no Norberto, porque acreditamos no projecto e porque este é um trabalho de equipa e colaborativo, deixamos o desafio de voltar a apoiar o projecto através da nova campanha: http://ppl.com.pt/pt/prj/rumoasantiago.

Naturalmente, o saldo de cada apoiante está disponível para outro fim que cada um entenda, seja outro projecto ou a simples devolução via NIB ou PayPal.

Agradecemos desde já a confiança e generosidade e desejamos boa viagem ao Norberto e restante equipa: boa sorte para as etapas que se seguem!

Juntos, conseguimos.

A equipa do PPL

segunda-feira, 9 de julho de 2012

Crowdfunding, um exercício de cidadania


Mais do que uma alternativa aos sistemas convencionais de financiamento, o crowdfunding é para mim um exercício de escolha e uma oportunidade de participação – para os promotores e para os apoiantes. Todos temos a opção de ficar quietos no nosso canto. Mas também podemos "sair à rua" e exercer o nosso direito (ou dever) de sermos membros activos da sociedade em que nos inserimos.

(Sou apenas uma pequena formiga, mas gostava de partilhar esta perspectiva de alguém que usa este modelo na qualidade de apoiante e promotora.)

Quem lança um projecto numa plataforma de crowdfunding, aceita: sair da zona de conforto; expor-se ao escrutínio público; submeter-se à aprovação de uma massa anónima; e prestar contas regularmente à família e aos amigos (para além dos desconhecidos). Está a ser proactivo(a) e a dizer a todo o mundo: EU CONSIGO. Em troca, “arrisca-se” a concretizar o objectivo a que se propôs, com a força acrescida de uma legião de apoiantes que o(a) incentivam a ir cada vez mais longe.

No caso da Formiga Juju, começámos por lançar um pequeno livro para distribuição gratuita em Moçambique e, quando demos conta, éramos já uma comunidade de formigas que teima em crescer de dia para dia. Em comum temos a necessária dose de loucura para ir fazendo qualquer coisa em vez de esperar que as coisas mudem... 

Por sua vez, quem decide apoiar um projecto via crowdfunding está, implicitamente, a exercer o seu direito de escolha. Quando investe o seu próprio dinheiro na ideia de um amigo, familiar ou desconhecido, está a subscrever uma manifestação de apoio e a dizer a todo o mundo: EU ACREDITO EM TI. Mas mais do que isso... ao contribuir para um projecto, está a praticar um acto de cidadania participativa, ajudando a que outro membro da sociedade concretize um projecto (um disco, um livro, um software...) que contribui para o desenvolvimento – económico, social ou cultural – de todo o grupo.

E o contributo de um pequeno peixe tem a mesma importância que um grande tubarão – porque o aquário só fica cheio se todos participarem. Na Formiga Juju, temos apoios que vão dos 3 aos 500 euros. Qual é que pesa mais para nós? Igual, precisamos de todos.

Pelo meio há umas recompensas que os promotores oferecem aos apoiantes, mas acredito que não seja esse o factor principal que leva alguém a contribuir.

Por tudo isto, o modelo do crowdfunding inspira-me. Faz-me acreditar que, quando nos juntamos todos (as redes sociais ajudam...), ninguém nos pára. Um pouco como a Primavera Árabe... mas muito mais pacífico.

Na Formiga Juju, dizemos que a mudança começa aqui. E começa mesmo!


Cristiana Pereira
(Em nome da Formiga Juju)

Para ver o projecto mais recente da Formiga Juju, siga este link: http://ppl.com.pt/pt/prj/karibu

terça-feira, 3 de julho de 2012

PRESS RELEASE: Campanha de disco Debut “Fractais” com base no Crowdfunding

SAMUEL VELHO:
Campanha de disco Debut “Fractais” com base no Crowdfunding
Samuel Velhohttp://ppl.com.pt/prj/fractais

Samuel Velho nasceu em Lisboa, cresceu no Ribatejo e vive actualmente em Castelo Branco. Decide-se a elaborar um projecto a solo (Indie Rock Céltico) por sugestão e influência do seu professor, amigo e reconhecido produtor Mário Barreiros. A música retrata uma essência rock com letras em português, guitarra acústica para criar um ambiente de contar histórias, flauta transversal como elemento inovador a dar um aroma céltico, para além da bateria, baixo e teclados, tudo composto, tocado e produzido pelo próprio. As canções entram no ouvido e reflectem influências interventivas numa sociedade incongruente, para além de paixões saudosistas e momentos vivenciados pelo cantautor. São aplicados neste projecto os conhecimentos adquiridos no Conservatório, na licenciatura de Música Electrónica e Produção Musical (onde recebeu um prémio de melhor aluno) e na licenciatura de Formação Musical que está a terminar.

Já por si só, trata-se de um projecto com uma sonoridade e mérito únicos: pela ambição artística, pela dedicação e empenho que a revestem; mas também pela honestidade e transparência com que Samuel se apresenta, no site www.PPL.com.pt, na apresentação da sua campanha de Crowdfunding, ou financiamento colectivo, como jovem artista independente.

O conceito do Crowdfunding, bem estabelecido lá fora (nos EUA a artista Amanda Palmer angariou mais de um milhão de dólares com base em 22 000 fãs), só agora começa a dar que falar em Portugal, com campanhas recentemente bem sucedidas de Mazgani (songwriter alternativo), Capitão Capitão (folk-rock Português) e Luís Tinoco (música erudita, com a participação da Orquestra Gulbenkian). Também os Primitive Reason assinalaram o seu regresso este ano com uma campanha de Crowdfunding, ainda a decorrer no site PPL.com.pt.

É um conceito que, para além de assegurar a autonomia financeira de jovens artistas, associa-se de forma directa com o conceito do disco debut “Fractais” de Samuel Velho. O título do álbum foi escolhido pelo “crowd”, com capa a concurso na rede social Facebook, e traduz o conceito de uma representação múltipla de si própria, bem reflectida na participação dos apoiantes de um projecto de Crowdfunding que almeja produzir um disco independente. Os apoiantes participam na produção do trabalho, tornando-se “de facto” na verdadeira editora do artista. Efectuam pré-compras, adquirem concertos, e angariam ainda outros apoiantes.

Há quem diga que o Crowdfunding e artistas como Samuel Velho são do futuro, que estão ainda para vir. Mas não. O futuro é agora e o Crowdfunding chegou a Portugal com a plataforma PPL e o disco debut de Samuel Velho. Espalhem a palavra.
http://ppl.com.pt/pt/prj/fractais

http://www.facebook.com/SamuelVelhoMusic

Contacto PR: Nuno Saraiva, Consultor, SCL-Agency.com
910 143 968 pt.music.consulting@gmail.com

Sobre a PPL:
http://ppl.com.pt/
A PPL é acreditada pela Crowdsourcing.org, a referência na indústria de Crowdsourcing e Crowdfunding, segundo o CAPS (Crowdfunding Accreditation for Platform Standards). Este programa avalia as operações da plataforma nos seguintes critérios: transparência operacional, segurança da informação e pagamentos, funcionalidade da plataforma e procedimentos operacionais.